terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

SGP Intercâmbio: A oportunidade cada vez mais importante de Dragon Ball FighterZ

Bem-vindos ao ano de 2018!... Nem reparem que a primeira postagem do ano só está acontecendo agora. O SuperGamePoint não voltará ao seu padrão de periodicidade, mas nunca ficará sem novidades por tanto tempo quanto um mês inteiro, viu?! Sou LeBobsRick e espero que você fique à vontade neste espaço dedicado à minha paixão com as minhas séries e meu gênero favorito nos games.

Comece 2018 chutando vilões e heróis de Dragon Ball FighterZ no PS4, Xbox One e PC.
No mês de janeiro, tivemos três grandes lançamentos do universo dos jogos de luta: Street Fighter V Arcade Edition, Dissidia Final Fantasy NT e Dragon Ball FighterZ, um dos mais aguardados por todos os fãs de jogos eletrônicos e amantes do mundo nipônico dos animes. Todos sabem que o site Shoryuken.com é uma referência sobre notícias e artigos de qualidade dos fighting games, mas como a língua inglesa é uma barreira para ávidos e dedicados leitores do gênero, me senti na obrigação de trazer para o português algo que realmente seja indispensável para essa tão exigente e única comunidade dos games sobre o lançamento da Bandai Namco em parceria com a Arc System Works.


DBFZ, segundo o autor do artigo, Frabisaur, é uma oportunidade para colocar a porradaria virtual em destaque no mundo dos esportes eletrônicos - financeiramente falando - e permitir que os membros da FGC (Fighting Games Community) olhem uns para os outros de uma nova forma. Vá por mim, esta é uma boa leitura!

_________________________________________

A oportunidade cada vez mais importante de Dragon Ball FighterZ

Por Frabisaur on February 1, 2018 at 3:00 pm


É difícil colocar em palavras a energia que vem fluindo por toda a comunidade dos jogos de luta nessas últimas semanas. Dragon Ball FighterZ sem dúvidas estabeleceu uma nova máxima para um lançamento de seu gênero; linhas do tempo, fóruns, Discords e streams foram abarrotadas de conteúdo e exploração de DBFZ, pois a simples empolgação criou uma força de gravidade que está atraindo qualquer um.


O game está indo bem; muito bem na verdade.

Observações evidentes a parte, eu quero pôr em discussão a oportunidade cada vez mais importante que este evento está proporcionando à FGC – e se não a aproveitarmos agora, pode demorar um bom tempo até que ela nos seja oferecida novamente. Há duas coisas em particular que Dragon Ball FighterZ está estendendo a nós: dinheiro significativo e expansão da comunidade dos jogos de luta. Finanças em primeiro lugar, porque se há algo que necessitamos compreender é o poder do dinheiro; as oportunidades internas à FGC, eu coloco em segundo plano.

Três carros-chefes dos fighters: MK, Smash e SF. É possível dedicar-se aos três de forma competitiva?
Quanto mais eu olho para trás, vejo que a FGC sempre existiu em facções. Não é para dizer que não somos uma grande família, mas sim que separamos uns aos outros. Fighting games, ainda que ofereçam a mesma experiência em seu âmago, possuem uma ampla variedade de expressões que se conectam com diferentes pessoas. Os jogos de anime, versus, arena, 2D, 3D, plataforma e outros são todos muito específicos, enquanto ainda mantém a essência de um jogo de luta. Estas diferenciações significam que mesmo que a FGC no geral tenha uma alta quantidade de adeptos, ela se espalha de forma pouco abundante, sem fazer parte de um grande todo. Raros são os verdadeiros jogadores de múltiplos games que comprarão e darão suporte aos múltiplos gêneros desses mesmos jogos de luta. Quantos jogadores de Marvel vs. Capcom: Infinite ingressam em grandes torneios de BlazBlue? Quantos Smashers dedicam-se nas partidas ranqueadas de SFVAE? Poucos. Mais uma vez, isso não é algo ruim. Na verdade, é muito belo: nós podemos ser muito diferentes ainda que dividamos esta fundamental experiência em seu cerne. Entretanto, isso nos traz um grande problema pela perspectiva financeira: nós particularmente não damos o devido valor aos desenvolvedores.


Por que outros esports levam toda a grana? Por que seus produtores investem tanto em suporte e produção após o lançamento de seus jogos e os nossos não o fazem? Por que a qualidade do servidor dos outros é tão maior? Por que é bem mais fácil conseguir patrocinadores para outro time de CS: GO, enquanto é tão difícil fazer com que um único membro da FGC seja patrocinado de verdade? A resposta é dinheiro. Os gêneros de FPS e MOBA gabam-se das dezenas de milhões de usuários ativos que culminam em seus lucros, anos após ano. Os usuários destes jogos são mais significantes tanto em números quanto na questão de serem menos divididos, uma vez que jogarão e darão suporte a maioria dos jogos desses gêneros. Desta forma, desenvolvedores e patrocinadores possuem tantos recursos como motivação para investir completamente nestas bases de jogadores.

Entenda, não é a paixão que separa as comunidades. Os jogadores e desenvolvedores todos possuem profundo carinho pelo que fazem. Mas, se não há dinheiro, não poderá haver produtos.

A verdade nua e crua é que a FGC não chega nem perto de ser lucrativa ou segura para investimentos, esse é o motivo que nos impede de ter o apoio ou as oportunidades que as outras comunidades recebem. Por exemplo, vocês sabiam que quando um investidor deseja promover um grande torneio de CS: GO ou LoL, eles pagam a outros times por sua participação e não o contrário? Sim, você leu corretamente. Investidores pagam organizações como a Liquid, NRG e Evil Geniuses por sua participação em seus torneios. Então deixe-me perguntar, qual motivação teria um grupo como a Liquid em pagar salários aos jogadores da FGC, quando eles mesmos são os responsáveis por gerar os valores para que esses jogadores possam competir?

Caso contratem outro time de FPS ou MOBA, farão anúncios para, no mínimo, um quarto do meio milhão de consumidores em cada torneio. Caso escolham um jogador da FGC, podem esperar por apenas 16.000 em uma boa semana.

Aí está a questão. Se desejamos ter o tipo de oportunidades que estas outras comunidades regularmente recebem, então devemos nos reunir e tornarmos uma base consumidora que eles não possam dar o luxo de ignorar. Não é porque não possuímos o poder, é porque necessitamos consolidá-lo. E por incrível que pareça, nós finalmente temos um game que está nos dando essa realização!


Enfim, aqui está a forma deste jogo não se tornar uma vitória apenas para desenvolvedores e investidores, mas uma grande vitória para nós também. Como havia dito, não é ruim que haja diversidade na expressão de nossa comunidade. Na verdade, esta é uma das marcas que nos fazem tão excelentes. Nunca devemos ser forçados a jogar algo apenas para aumentar o seu valor de mercado, isso seria a antítese da paixão!

A vantagem de Dragon Ball FighterZ é que este é um game que está despertando a nossa vontade de ficarmos juntos.

Ele oferece a nós muito do que exigimos de um jogo. DBFZ combina visuais estonteantes com profundo respeito por uma franquia que todos sentem um enorme carinho. Ele mistura o fator da acessibilidade com a profundidade competitiva que permite tanto jogadores novos ou experientes encontrarem o seu lugar. Ele contém muita liberdade criativa e expressão que podem ser efetivamente utilizadas em jogo a sua própria maneira.

Esse é o único jogo que conheço que literalmente cada sub comunidade da FGC está juntando-se para lutar. Nunca surgiu algo antes que atraísse membros de cada canto da comunidade. Este é um game que pode nos unir e nos fazer crescer a certo ponto que ainda devemos experimentar. Pessoas estão chegando em grande número na FGC enquanto você lê isso. Pessoas que saíram agora estão de volta, pessoas de comunidades muito próximas a esta, além de jogadores completamente novos ansiosos para experimentar este jogo empolgante e estonteante baseados em sua amada série de TV.


Então aqui é a nossa chance, homens e mulheres da FGC. Agora não é a hora para arrogância e agressividade. Cada um quer impor sua bandeira como o alfa, o rei da nova colina que surgiu, a qualquer custo. E estou aqui para dizer: não o faça.

Esta oportunidade é muito maior do que vitórias pessoais ou ambições egoístas! É a nossa chance de dar boas-vindas a novos jogadores de diferentes cenários à nossa comunidade e ajuda-los a aprender o que faz este jogo – e a comunidade – tão especial. É a nossa chance de crescer e nos tornarmos um grupo mais forte de gamers e competidores como nunca fomos. É a nossa chance de aprimorar nossas técnicas e alcance absolutos, por meio de um novo olhar e pensamento para desenvolver e refinar nosso entendimento sobre a nossa paixão em comum. Coloque de lado sua hostilidade com os outros. Abandone os xingamentos e birras inúteis. Eduque-se. Responda questões. Doe seu tempo para jogadores novos e em transição ao invés de afastá-los e, eu prometo, que iremos ser algo bem maior do que já pudemos imaginar.



FRABISAUR

Artigo original: clique aqui para ler.

__________________________________

De alguma forma, vocês acham que a opinião do Frabisaur é muito fantasiosa ou vem na medida certa para pensar sobre o rumo dos fighting games? Eu fico com a segunda opção e digo mais: a comunidade brasileira já está um passo a frente de outras, mesmo com tanta rivalidade dentro de fãs de sub-gêneros iguais, como Street Fighter e The King of Fighters.

Minha hype está garantida para esse ano com KOF XIV: venha logo, mister Oswald.
Venho tratando SF e KOF como algo para aprendizado competitivo, enquanto as outras como Tekken, Injustice, Mortal Kombat e Guilty Gear como pura diversão casual. DBFZ e MvC Infinite estarão nesse divisor de águas deste ano para mim.

Aguardo a opinião de vocês nos comentários. FUI!

PS: Caso gostem de polêmica e consigam compreender um pouco do inglês, deem uma olhada nos comentários do artigo original. Lá o bicho tá pegando fogo!!!

domingo, 31 de dezembro de 2017

Top 10 games de 2017 por LeBobsRick (Parte 2 de 2)


Hora de encerrar este pequeno ciclo anual com a postagem que conclui a lista iniciada ontem sobre os 10 jogos que mais me dediquei neste ano. Apresento inicialmente as tradicionais menções honrosas e finalizo com os meus três favoritos. Lembre-se que sou LeBobsRick e esta lista diz respeito aos games jogados (ou desejados) por mim e não apenas lançamentos.

6 menções honrosas:

* Ultimate Marvel vs. Capcom 3

A volta épica da união legal entre produtos da Marvel e da Capcom permitiu que finalmente jogássemos este game nos nossos computadores e não apenas em consoles, um desejo que possuo desde 2011. Ainda que as versões de PC e de Xbox One tenham chegado só em fevereiro deste ano, os donos de PS4 já desfrutavam desta maravilha desde dezembro do ano passado.

Matei a saudade que sentia de jogar com Dormammu e Tron em 2017!
Ficamos empolgados com o anúncio de MvC Infinite para 2017 e um bom jeito pra saciar-nos era reexplorar o último dos crossovers entre estas empresas. Mas a péssima qualidade de conexão do modo online para ambas as plataformas esfriou meus ânimos para reaprender a brincar neste jogo. Fiquei nos modos Arcade, Mission e Heroes & Heralds. Só este último já valeu a pena esta compra.

* Sonic Mania

Tenho o péssimo costume de ouvir a trilha sonora dos jogos antes de possuí-los, como forma de aumentar meu desejo de aquisição e sempre explorar melhor um dos meus tópicos favoritos em videogames. Assim aconteceu com Sonic Mania, uma das mais bem recebidas "novidades" de 2017. A palavra ficou em aspas porque este game abusou das características do universo Sonic enquanto ele ainda reinava nos 16-bits com o Mega Drive e trouxe fases, estilo gráfico e de gameplay de volta as nossas mãos.

Flying Battery Zone: estágio trazido de Sonic & Knuckles para os dias de hoje.
Assisti muitos gameplays, ouço até hoje sua soundtrack, mas decidi adquirir o game somente quando o preço para a versão PS4 cair ao menos pela metade, para equivaler-se ao preço da Steam e Xbox One. Eu definitivamente não tenho pressa para novidades, então vou aumentar ainda mais meu desejo e aproveitar Sonic Mania no tempo certo. Claro que poderia ter comprado a versão PC, mas aquele tal de Denuvo e sua interferência em como o jogo deve ser jogado (sempre online) me desanimou demais.


* Ultra Street Fighter IV

A série SFIV foi uma das que mais joguei neste últimos 10 anos. E como é difícil largar esse osso. Gosto muito do design, elenco, golpes, combos, sistemas, trilha sonora e tudo que foi construído ao longo de seis anos (2008 a 2014) desta lenda que ressuscitou o gênero dos jogos de luta.

O Red Focus foi uma das últimas novidades de SFIV. Indispensável para combos, viu?
E mesmo possuindo a versão Steam há muito tempo, fiz questão de ter o jogo também no PS4. O que andei fazendo neste jogo? Trials, o modo mais viciante dos jogos de luta para viciados em combos e desafios de execução. Aliado ao uso do aplicativo de música Spotify, USFIV é para mim um dos momentos mais relaxantes do cotidiano.


* Tony Hawk's Pro Skater HD

A franquia de skate mais bem-sucedida dos anos 2000 passa pelo limbo dos videogames nos dias de hoje, mas em 2012 o lançamento de THPS HD para consoles e PC pegou os ex-adolescentes amantes do esporte de surpresa. Mas só me dei a atenção devida para essa maravilha no início deste ano.

Aquela primeira fase que você nunca esquece: combina demais com Dead Kennedys.
O jogo traz gráficos refinados para o jogo originalmente lançado para o PS1, Nintendo 64 e Dreamcast, mas agora temos muitos dos conteúdos dos dois primeiros games, incluindo fases, skatistas e trilha sonora tudo num só jogo. Uma DLC com itens de THPS3 disponibilizou mais fases, a manobra Revert e quatro outros personagens, incluindo as personalidades do rock James Hetfield e Robert Trujillo, respectivamente o líder e o baixista da banda Metallica.

Ok, Metallica é ótimo, mas cadê o ícone Bob Burnquist? Única falha do game, perdoável.
Só falta eu tomar vergonha na cara, ligar o game de novo e fazer 100% no jogo, para relembrar o quão eu já joguei a segunda e a quarta versão dessa maravilhosa franquia.


* Naruto Shippuden Ultimate Ninja Storm 4

Por muito tempo, os animes fizeram parte do meu dia a dia. Daí envelheci e abandonei as séries que tanto aprecio, incluindo esta que este jogo pertence. Eu quase terminei de assisti-la, mas faltou ânimo para isso. Um amigo me fez a proposta de explorar este jogo, mesmo sabendo que este tipo de jogo de luta não é dos meus favoritos.

A melhor introdução de jogos de anime que já presenciei até hoje: Hashirama vs. Madara.
Naruto SUNS4 é uma obra-prima do universo de jogos de anime. Seu modo história, o elenco imenso, as excelentes animações, dublagem em português, cutscenes até melhores que o anime viraram minha cabeça e meus conceitos sobre jogos de anime. Como ainda estou jogando, posso dizer que a abertura épica com o embate entre os poderosos Hachirama e Uchiha Madara e as revelações do passado desta franquia em torno destes ninjas primogênitos é digna de louvores.


* Marvel vs. Capcom: Infinite

Por fim, um dos jogos mais polêmicos de 2017. Não sei porque a Marvel e a Capcom fizeram um trabalho tão ruim de divulgação do jogo, justo em um momento que o feedback é instantâneo nas redes sociais. Gráficos aquém da geração de consoles, elenco e movelist quase repetidos de UMvC3, trilha sonora mal inspirada e uma demo que não ajudou muito na experiência prévia de lançamento me fez desaminar quanto a este lançamento. Perceba que depois da demo de junho, acho que não fiz postagem alguma sobre MvC Infinite.



E o que poderia salvar este jogo de um completo fracasso? O enredo do modo história quase cinematográfico, sua jogabilidade reinventada e inspirada pelo sistema de Marvel Super Heroes (1995) e seu conteúdo DLC. Ver a qualidade visual aplicada nos golpes de Venom, o design nota 10 para a Monster Hunter e a adição de Soldado Invernal, Viúva Negra, Sigma e Pantera Negra ao elenco me fez olhar novamente para o jogo.

O melhor design de golpes vai para... VENOM!
E como um amigo comprou o game, pude silenciar minhas angústias quando APENAS JOGUEI o game. Às vezes é só isso que precisamos para nos divertir. E claro que fiquei apaixonado por um dos itens especiais inclusos em algumas cópias: 30 cards figurando o elenco inicial. De um lado, a ilustração oficial, do outro, a movelist do personagem. E uma prova de que a Capcom se redimirá com este jogo é a disponibilização da demo online por dois finais de semana, com total acesso aos combates online e modo de treino como aquecimento das lutas. Experimentei os trinta lutadores e digo que ao menos, o jogo é o mais divertido desta geração.

6 lutadores e uma série de trajes especiais já expandiram o game após seu lançamento.
Como Disney readquiriu direitos de uso dos X-Men, Deadpool e Quarteto Fantástico com a Fox neste fim de ano, espere por quilos de conteúdo para os dois próximos anos para Infinite. Ou apenas o upgrade dele: "Ultimate Marvel vs. Capcom: Infinite Turbo- Mutant Edition".

Fim da enrolação: meu top 3 para 2017.

sábado, 30 de dezembro de 2017

Top 10 Games de 2017 por LeBobsRick (Parte 1 de 2)


Olá a todos! É com muita felicidade que eu, LeBobsRick, retorno após dois meses de "castigo" deste lindo projeto: o blog do SGP. E garanto que haverá pelo menos uma postagem por semana para reaquecer este espaço tão único para amantes de jogos de luta e outros clássicos dos anos 90 - basicamente os jogos e franquias que eu mais gosto.

A primeira franquia que invadiu meu coração: Sonic, o mascote do meu 1º console, o Mega Drive.
O ano de 2017 foi extremamente complicado para mim a nível pessoal, porém quando o assunto foi videogames... Foi mais que espetacular: adquiri muitos jogos, assisti muitos gameplays, conheci games fantásticos e tive o melhor de tudo, muito tempo para me dedicar a este hobby. A prova disso foi o surgimento do blog, canal do YouTube, página no Facebook e até perfil no Twitter como ferramentas deste projeto com o nome Super Game Point.

Como não possuo Wii U ou Switch, Zelda BOTW não figurará nesta lista...
Para agradecer aos leitores e amigos que passaram por aqui, venho dividir com vocês uma lista dos 10 jogos que mais me tomaram tempo neste ano. Não espere apenas por lançamentos, jogos AAA, ou algo que fuja muito do meu já mencionado (logo acima) gosto pessoal. Estes foram os jogos que mais me dediquei, sendo assim, os meus favoritos deste ano. Sem mais delongas...

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Editorial: O fim do blog Super Game Point?! Especial #200


Olá, amigos queridos e fãs de uma boa leitura sobre jogos (especialmente os de luta). Eu gostaria de não deixar a peteca cair e ser menos piegas hoje, muito menos gostaria de fazê-lo na postagem de número 200 deste maravilhoso espaço de entretenimento pessoal. LeBobsRick dará um breve lugar agora para Luís Ricardo Freitas, o nome verdadeiro deste autor apaixonado por jogos para dar um aviso importante.

Sobrevivi porque o fogo dentro de mim queimou mais forte do que o fogo que me cercava.

______________________________________________


Olá a todos! Sou Luís, tenho 30 anos e sou licenciado em Letras (português/inglês) e atuei na profissão destas disciplinas de 2012 a 2017. Mas sou um gamer desde os meus 9 anos de idade. 

Como uma boa parte dos brasileiros, fiquei desempregado no fim do ano passado e tive um tempo para tentar investir em mim mesmo e na possível profissionalização do meu hobby: jogar videogames, além de ler e escrever sobre eles. 

Então a minha proposta com o blog era de criar um portfólio para que as empresas/editoras especializadas no ramo pudessem conferir o meu trabalho e assim, eu pudesse abrir alguma porta para trabalhar em algo que amo. Eu realmente sou apaixonado pela Educação e a profissão de professor e tive ótimas experiências nesta carreira, mas decidi trocar de caminho porque achei que este era o momento para investir no campo do entretenimento.

Mais de seis meses depois da criação do blog, infelizmente, todas as minhas tentativas de me relacionar com o mercado editorial ou empresas de tradução foram negadas ou simplesmente ignoradas. E como nunca ganhei um centavo com o blog ou até mesmo com o canal do YouTube - o qual investi discretamente e adotei um formato bem simplório em relação à moda - não posso mais investir tempo neste ofício.

Do início (fim de março) até meados de junho, eu praticamente postei uma matéria por dia e de lá pra cá reduzi a frequência de publicações, tanto por achar desnecessário dar notícias que outras dezenas de lugares já o faziam, tanto por conta do meu abandono com assuntos cansativos ou irrelevantes que me levasse pra fora do prazer de pesquisar e escrever.

Algumas postagens estão em aberto e serão completadas com uma frequência bem rara, posso dizer que ao menos uma postagem por semana será feita aqui, mas não espere nada além do melhor que tem visto aqui: traduções de conteúdos oficiais ou entrevistas relevantes para a história dos jogos que mais gosto.

Tentarei voltar à vida normal e dar prosseguimento com algo mais concreto pra minha vida como a literatura e as línguas estrangeiras (inglês e japonês), já que não sou mais capaz de continuar a viver nesse mundo "de fantasia".

Foi bom e durou pouco. Agradeço a todos aqueles que se identificaram com o blog, abraço a todos.

________________________________________

"Finalmente, você pode descansar em paz..."
Para que não reste apenas esse clima chato, vou deixar aqui indicações sobre uma parte do meu intenso trabalho neste lindo blog:


AS POSTAGENS MAIS LIDAS PELO PÚBLICO:

É provável que quase um terço das publicações tenham sido dedicadas a este game.
5 - Aquecimento Injustice 2: DIA 24 - Uma estrela, um ninja, um capuz e seis silhuetas

Deu pra ver que SFV e Injustice reinaram em popularidade, né?


AS POSTAGENS QUE TIVE MAIS DIFICULDADE EM FAZER:

Quem mandou mexer no vespeiro acomodado no guarda-roupas de DOA5 LR?

Estava tão curioso sobre quanto um fã de roupas pra lutadores pagaria pra ter todo o conteúdo de SFV e DOA5 que me lasquei em três partes... Quanto ao Ranking Mensal de SFV, publicado entre março e agosto, era muito difícil a coleta de dados e até mesmo a elaboração do texto da postagem. Mas ficou um bom trabalho ao meu ver, apesar de todas as dificuldades de composição destas matérias.


AS POSTAGENS QUE TIVE MAIS PRAZER EM ESCREVER:

A série KOF foi um dos motivos deste blog existir.
7 - Especial: A história da EVO (em quatro partes - De 1996 a 2015)

Apesar de todos os fatores externos que dificultaram a produção do especial "A História da EVO", foi realmente especial pesquisar, escrever e relembrar um dos melhores aspectos dos jogos de luta: o nível competitivo. Além disso, por meio do blog, pude especular como seria ideal para mim alguns jogos novos como SF One, Garou 2 e um crossover triplo entre Tekken, SF e KOF.


AS POSTAGENS QUE RECOMENDO A TODOS:

Akira Nishitani é o produtor de SFII: ele revelou muitos detalhes maravilhosos do game.
4 - Guilty Gear e sua impressionante linha do tempo (em duas partes)
6 - Making of Street Fighter II (em duas partes)

Por pura preguiça e medo de não fazer justiça à primeira postagem, eu nunca mais fiz um especial tão elaborado de um único jogo como fiz com KOF '94. Uma pena. Mas acredito que as postagens mais úteis deste blog para a história dos videogames sejam as traduções de conteúdo esquecido ou simplesmente não traduzido.


AS POSTAGENS QUE DEVERIA TER FEITO, MAS NÃO FIZ (AINDA):

Esta era uma das minhas metas de gamer desse ano: a liga Ouro de Street Fighter V! Consegui!!
1 - Como chegar à liga Ouro em Street Fighter V;
2 - Especial The King of Fighters XI - o game mais incompreendido da série;
3 - Por que as músicas de videogames são tão importantes para mim;
4 - LeBobsRick só gosta de jogos de luta?
5 - Os 50 jogos que mais "perdi" tempo jogando;
6 - Uma paixão abandonada: Trading Card Games;
7 - A história dos personagens de Soul Edge e SoulCalibur; 
8 - Os meus jogos favoritos de anime;
9 - O treinamento perfeito para o seu Pokémon;
10 - Minha história gamer: 20 anos de vício (especial em 10 partes).


ESTATÍSTICAS (referente ao período de 28/03/17 a 12/10/17)


200 postagens em pouco mais de 6 meses;

* Artigos, Traduções, Listas, Previews, Reviews e uma série de vídeos!


Mais de 40000 visualizações (média de 209 leituras por postagem); 

* Março: 246
* Abril: 2.265
* Maio: 12.393
* Junho: 7.640
* Julho: 7.276
* Agosto: 5.855
* Setembro: 4.720
* Outubro: 1.221


Origem de público (visualizações por países - os 10 mais frequentes):

* Brasil: 34620
* Estados Unidos: 4681
* Rússia: 369
* Portugal: 168
* Moçambique: 136
* Alemanha: 117
* Ucrânia: 112
* França: 101
* Vietnã: 77
* Índia: 61

Lista de jogos mencionados aqui no blog (use a barra de pesquisa para saber mais): 

* Toda a série Street Fighter (especialmente SFV)
* A série canônica The King of Fighters (foco em XIV, '94 e XI)
* Os jogos Real Bout Fatal Fury
* A trilogia Art of Fighting
* Os principais games de Samurai Shodown
* Tekken Tag Tournament 2
* Tekken 7
* Pokkén Tournament (DX)
* Super Smash Bros. for Wii U/3DS
* Pokémon Gold & Silver
* Pokémon Ultra Sun & Ultra Moon
* Marvel vs. Capcom 3
* Ultimate Marvel vs. Capcom 3
* Marvel vs. Capcom: Infinite
* Injustice: Gods Among Us
* Injustice 2: Every Battle Defines You
* Mortal Kombat (9)
* Mortal Kombat XL
* Killer Instinct (2013)
* Dead or Alive 5: Last Round
* Guilty Gear Xrd -SIGN-
* Guilty Gear Xrd -Revelator- / - REV2 -
* Dragon Ball FighterZ
* Naruto Shippuden: Ultimate Ninja Storm 3
* Sonic Adventure
* Sonic Mania
* Sonic Forces

________________________________________


É, este praticamente foi um espaço dominado por fighting games com uma pitada (bem de leve) de Pokémon e Sonic, duas franquias favoritas desde a adolescência. Coisa de "noventista".

Nem a união de Pikachu e Sonic venceram as franquias de luta por aqui no SGP.
Não se esqueçam que ainda falta a conclusão da série Guia de Personagens para SFV (os 36 iniciais), o especial "A franquia Street Fighter" (faltam duas partes) e "Os 5 jogos que a SNK está nos devendo" (fiz só o primeiro). Além disso, tem duas traduções de entrevistas no gatilho: uma com o jogador SonicFox, o mais conhecido de Injustice e MK; a outra é com o Mr. Harada, o longevo produtor da série Tekken. Este compromisso não será abandonado.

Este crossover será o próximo jogo mencionado na série em andamento sobre a SNK.
Espero que tenham gostado do meu trabalho, pois ele realmente foi de fã para fã. Agradeço a todos pelo carinho, pelos comentários, pelos compartilhamentos e pelo feedback positivo nas redes sociais, as quais pude conhecer muita gente por conta deste hobby.

FUI!

terça-feira, 10 de outubro de 2017

SGP Especial: A franquia Street Fighter - Parte 4 - Crossovers (I)

Apresento a quarta parte da lista completa de jogos do universo Street Fighter. Hoje o foco está na primeira leva de quase 30 crossovers que esta série protagonizou com outras franquias: você se surpreenderá com alguns deles por serem obscuros demais ou por possuírem um gênero bem distante aos jogos de luta.


Street Fighter contra Rival Schools: o crossover mais aguardado por fãs da Capcom.
Se não leu ainda: 
Parte 1 - SF1, SFII (e seus noves upgrades), Alpha e Alpha 2 (em duas versões);
Parte 2 - SF Alpha 3 (em três atualizações) e os três episódios de SFIII.
Parte 3 - SFIV (em 4 versões), SFV (2 aparições) e todas as sete coletâneas da série.

Recomende este especial aos fãs mais adeptos e colecionadores! Sou LeBobsRick e espero que tenha uma boa leitura. Falaremos hoje de crossovers com personagens da própria empresa e com a editora de quadrinhos Marvel.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

SGP Editorial: Os 5 jogos que a SNK está nos devendo (Parte 1 de 5)




Está se tornando mais comum a prática de vazar listas de elencos para jogos de luta ainda em produção antes mesmo até de anúncios oficiais. Isso aconteceu com The King of Fighters XIV, vem ocorrendo com Street Fighter V desde o ano passado, este ano com Marvel vs. Capcom Infinite e Dragon Ball FighterZ, e até mesmo para jogos nem confirmados como Mortal Kombat 11 e um suposto Neo Geo Battle Coliseum 2

Não jogou NGBC? Não é 100% agradável, mas é obrigatório para fãs do gênero e amantes da SNK.
Como um fã da SNK em quase 20 anos, sempre penso que a empresa produtora de KOF, Fatal Fury e Samurai Shodown tem um grande baú de tesouros pronto a ser aberto em qualquer momento. Por isso, LeBobsRick, esse autor que vos escreve, acredita que a SNK nos deve ao menos 5 grandes jogos que mencionarei neste novo especial de delírios.

Garou 2 já esteve em produção, mas foi cancelado com a falência da SNK no início dos anos 2000.
Já disse e vou repetir: o que os fãs mais esperam antes do lançamento de fighting games é a lista dos personagens jogáveis. O resto é digerido aos poucos, na minha opinião. E lendo essas listas de "leaks", fiquei com vontade de escrever estas matérias - e tem rosters, claro.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Injustice 2: A menor adição de todo o elenco


Acidentalmente, o canal oficial de Injustice 2 publicou o vídeo teaser de um lutador que estará disponível somente na próxima leva de personagens DLC, o Fighters Pack 3, pulando até mesmo a ordem de aparição que deveria mostrar antes o "vermelhinho" Hellboy, o último do segundo pack.

Átomo conta com habilidade de crescimento e encolhimento muito bem representadas em I2.
O escolhido da vez é Átomo (já chamado antes de Eléktron - não confunda o com o Capitão Átomo). Mesmo tendo retirado o vídeo do ar imediatamente após sua postagem, a Warner Bros. Games voltou atrás, já que alguns fãs "printaram" a tela e começaram a tuitar sobre um certo átomo:


A descrição oficial traduzida:

"O físico prodígio Ryan Choi herdou o traje do Átomo quando seu mentor - e o original Átomo - Ray Palmer despareceu misteriosamente. Agora armado com tecnologia de compressão quântica, Ryan irá usar o poder subatômico do bio-cinto de quantum em busca do seu amigo desaparecido, além de lutar pela justiça."

A aparição de Ray Palmer no seriado Arrow.
O deus do trovão e convidado de Mortal Kombat, Raiden, é o segundo lutador do Fighters Pack 2; ele já foi disponibilizado para os que possuem as edições especiais do game e será lançado na semana que vem para os outros compradores, justamente no dia 8 de outubro em comemoração aos 25 anos da franquia mais sangrenta dos jogos de luta.

Está gostando das adições pagas de Injustice 2? Diga aí nos comentários.

Fui!

terça-feira, 3 de outubro de 2017

The King of Fighters XIV: Biografias de King, Mai e Alice


Hoje é o dia das rainhas! Sétimo time com biografias oficiais do game apresentadas aqui no Super Game Point com as tradicionais King e Mai, além da novata Alice. Mas lembre-se que o grande ouro desta postagem são as notas que respondem as suas curiosidades sobre elementos advindos da cultura oriental tão presente no enredo de The King of Fighters.

Qual das beldades é a sua favorita?
Ouvi uma vez que saber "ler" as mulheres é um dos passos mais importantes para conquistá-las! Isso se reafirma aqui: há muita coisa que você precisa saber para agradar uma moça elegante como King, uma despretensiosa como Alice e uma musa inspiradora como Mai.

Eu sou LeBobsRick e te desejo uma boa leitura!

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

The King of Fighters XIV: Prólogo do Time das Mulheres


Hora de apresentar o sétimo time de The King of Fighters XIV. O tradicional time feminino sempre conta com a presença de King, Mai Shiranui ou Yuri Sakazaki, mas somente as duas primeiras estão presentes nele. Já que Takuma abandonou seu posto de lutador, Yuri preferiu ficar com seu time de dojo e as lindas musas tiveram que encontrar uma nova companheira.


O motivo do vício nas máquinas de pachinko: interação visual!
Já jogou pachinko? Provavelmente não, pois elas são máquinas "caça-níqueis" restritas ao mercado oriental. Elas se utilizam de uma marca bem conhecida de anime ou jogo e promovem uma interação viciante aos jogadores. As estreantes Mui Mui (de Dragon Gal), Love Heart (da série Sky Love) e Alice, de Garou Densetsu: Legend of Wild Wolf, são personagens advindas destes jogos produzidos pela antiga SNK Playmore.


As animações em CGI são o grande motivo do sucesso dos pachinkos (e não a Mai, viu?)
E agora que a SNK voltou aos eixos (leia-se "jogos de luta"), o que fazer com todo o conteúdo criado para os pachi-slots? Lançá-los no universo de KOF e experimentar a reação do público, claro.

Conheça então o motivo da união de Alice Garnet Nakata, a fã mais entuasista do time Fatal Fury, com as rainhas de KOF, Mai e King. Sou LeBobsRick e te desejo uma boa leitura.

sábado, 30 de setembro de 2017

The King of Fighters XIV: Biografias de Ryo, Robert e Yuri

E chegamos a biografia traduzida do sexto time em The King of Fighters XIV! Sou LeBobsRick e agora você confere todos os detalhes da vida de Ryo, Robert e Yuri, uma equipe que sempre busca promover seu estilo e seu dojo através do maior torneio de artes marciais do mundo.



O mais interessante deste time é que suas movelists sempre variam muito a cada versão da franquia, o que garante uma excelente durabilidade dos personagens. Criados na primeira edição de Art of Fighting e presença absoluta na série de Kyo e Iori, vimos a ausência de Robert apenas na 11ª edição do jogo. Mas ele logo retornou e permanecerá por aqui um bom tempo.

Boa leitura!

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

The King of Fighters XIV: Prólogos do Time Art of Fighting



Art of Fighting foi um dos pilares da SNK, produtora de The King of Fighters XIV, durante a primeira metade dos anos 90 com os seus três jogos lançados e bem aceito pelo público fã de fighting games. Deste universo, hoje integrado ao KOF, surgiram a família Sakazaki com o protagonista Ryo, sua irmã Yuri, seu melhor amigo Robert Garcia e Takuma, o grande mestre do estilo Kyokugenryu, além de chefe da família.

Esta arte promocional faz uma excelente alusão ao cartaz do filme "Operação Dragão" (1973) de Bruce Lee.
Conforme os anos progrediram no elenco de KOF, o time do estilo carateca mais poderoso de South Town ganhou notoriedade mundial no mundo das artes marciais, mas vive em constante crise quanto aos negócios, geralmente centrados no dojo do estilo. Takuma parece ter se aposentado em KOF 14, mas continua utilizando-se de seu vigor para promover seu legado.

Este é o sexto prólogo oficial dos dezesseis times de KOF XIV traduzido exclusivamente aqui no Super Game Point. Sou LeBobsRick e te desejo uma boa leitura!

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

SGP Especial: A franquia Street Fighter - Parte 3 - IV, V e coletâneas


Este especial do Super Game Point se propõe a apresentar todos os jogos da franquia Street Fighter, incluindo série principal, coletâneas, spin-off, crossovers e até mobiles! Nesta terceira parte teremos os últimos episódios canônicos e todas as compilações vistas nos consoles. Se você é colecionador ou apreciador da série, pode usá-la como um checklist para conferir sua coleção.

Parte 1 - SF1, SFII (e seus noves upgrades), Alpha e Alpha 2 (em duas versões);
Parte 2 - SF Alpha 3 (em três atualizações) e os três episódios de SFIII.

____________________________________


09 - STREET FIGHTER IV

Tão importante quanto SFII por ter definido um padrão para os fighting games, Street Fighter IV e suas atualizações foram o motivo da volta do gênero ao mainstream, além da promoção deste para o campo dos eSports em um nível nunca visto. Quatro edições de alto nível são a base deste capítulo.

Street Fighter IV


Lançamento: Arcade - Julho de 2008 (Japão)
Outros sistemas: PlayStation 3, Xbox 360, PC (Windows)

Mantendo a tradição, SFIV surgiu inicialmente nos fliperamas orientais. Ah, sortudos!
Lutadores jogáveis: Ryu, Ken, Chun-Li, Guile, Dhalsim, Zangief, Blanka, E. Honda, Balrog, Vega, Sagat, Bison, Abel, C. Viper, Rufus, El Fuerte
Lutadores exclusivos do console: Sakura, Fei Long, Rose, Gen, Dan
Chefe: Seth
Chefes secretos: Akuma, Gouken

A primeira versão de SFIV possuiu um elenco bem próximo ao de SFII.
Novamente a Capcom ditaria o rumo das franquias de fighting games com um lançamento de Street Fighter. Este game surge após um hiato de quase 10 anos sem nenhuma novidade do universo e justamente pelo passado consagrado, trouxe de volta as atenções de fãs de outros gêneros para uma versão acessível do jogo. O elenco se assemelha ao de SFII e isso se deu já que o enredo de SFIV se passa após o segundo jogo da franquia, deixando SFIII como o futuro da série.

Ângulo dramático: a técnica que valoriza seu golpe mais poderoso, o Ultra Combo.
Sua maior novidade foi a consistência gráfica atingida com modelos 3D que, de forma alguma, não impediram que a jogabilidade se mantivesse no tradicional 2D. O Focus Attack e seu sistema de cancelamento, aliado aos golpes EX e Ultra Combos apresentou combos extremamente precisos, o que se tornou um divisor de águas entre jogadores casuais e jogadores hardcore.

Os escassos trials de SFIV serviram pra ensinar o jogador quais links eram exploráveis.
Vale lembrar que Gouken e Akuma podem ser enfrentados após o vilão Seth ao cumprir certos requisitos. Porém, ambos vem com maior velocidade e magia dupla aérea para Akuma e magia dupla no chão para Gouken.

A Capcom atendeu os pedidos dos fãs e trouxe o mestre de Ryu e Ken para SFIV.